SEDCAR - Sindicato dos Empregadores Domésticos de Campinas e Região
           
 
 
 
 
HOME
 
SEDCAR
 
NOTÍCIAS
 
DÚVIDAS
 
JURÍDICO
 
e-SOCIAL DOMÉSTICO
 
PLANOS
 
CONTATO
             
 
 
     
NOTÍCIAS
     
 
SEDCAR - Sindicato dos Empregadores Domésticos de Campinas e Região
 

  Notícias

  Editais

  Informativos

  Perguntas Frequentes

  Downloads
 
 
Notícia - 5 dúvidas comuns sobre atestado médico para empregada doméstica 16 de Julho de 2019
5 dúvidas comuns sobre atestado médico para empregada doméstica

Após a aprovação da PEC dos domésticos, uma dúvida comum entre os empregadores são as regras sobre atestado médico para empregada doméstica. Apesar de ter garantido diversos direitos para a categoria, a legislação ainda tem algumas diferenças em relação às normas aplicadas aos demais trabalhadores.



Para explicar o assunto, preparamos este conteúdo esclarecendo as 5 principais dúvidas sobre os atestados médicos. Continue a leitura e se informe!



1. O atestado médico para empregada doméstica justifica a falta?

De acordo com o art. 473 da CLT, os afastamentos por motivo de doença, com a devida apresentação de atestado médico, são considerados faltas justificadas, portanto, devem ser abonadas. Entretanto, aqui as regras são diferentes: para os trabalhadores comuns, a empresa deve se responsabilizar pelo pagamento dos primeiros 15 dias de afastamento e, caso seja necessário mais tempo, é preciso requerer o auxílio-doença ao INSS.



Por outro lado, no caso dos trabalhadores domésticos o INSS se responsabiliza pelos pagamentos desde o primeiro dia de afastamento. Então, em tese, apesar de ser uma falta justificada, o patrão não precisaria arcar com a remuneração dos dias de atestado.



Porém, quando o período é curto, o costume é que o próprio empregador arque com os valores para evitar as burocracias do pedido do auxílio-doença e não prejudicar o trabalhador. Vale sempre conversar com o empregado para encontrar a melhor solução em cada caso.



2. Quais as regras para receber o auxílio-doença?

Para receber o benefício, primeiro é preciso que o empregado tenha cumprido a carência de 12 meses, ou seja, tenha contribuído por esse tempo ao INSS. Além disso, é preciso fazer um requerimento ao órgão e passar por perícia médica para avaliar a incapacidade para o trabalho e o período de afastamento.



Se o benefício for concedido, o contrato de trabalho fica suspenso até o retorno do trabalhador. O INSS arcará com a remuneração do empregado e fará os descontos relativos à contribuição previdenciária. O pagamento do 13º salário proporcional ao tempo de afastamento também é feito pelo órgão.



3. Qual a responsabilidade do empregador?

Em regra, o patrão não tem responsabilidades pela doença do trabalhador doméstico. Entretanto, caso ela seja causada por acidente de trabalho, incluindo doenças ocupacionais, ele pode ser responsabilizado. Além disso, dependendo do motivo do afastamento, o patrão deve observar alguns pagamentos.



Em caso de afastamento por auxílio-doença acidentário, é preciso manter os recolhimentos do FGTS. É importante ter atenção aos direitos do empregado durante o período para fazer os lançamentos corretamente no eSocial e efetuar todos os pagamentos devidos.



4. O empregado pode ser demitido após o afastamento?

Durante o afastamento do empregado o contrato de trabalho é considerado suspenso, portanto, não pode haver demissão. Após a recuperação e o retorno às suas funções, o empregado tem garantida a estabilidade de 30 dias de acordo com a Convenção Coletiva de Trabalho.



Porém, se o atestado médico foi entregue devido a acidente de trabalho, com afastamento pelo INSS, o trabalhador tem direito à estabilidade no emprego por 12 meses, contados a partir do seu retorno. Durante o período ele não pode ser demitido, exceto caso cometa falta grave que justifique a rescisão por justa causa.



5. O atestado de acompanhamento médico é válido?

Deverão ser consideradas justificadas as ausências quando do acompanhamento do filho menor ou inválido para consulta médica comprovado pelo atestado médico conforme determina a Convenção Coletiva de Trabalho e também as ausências permitidas pelo artigo 473 da CLT.

Portanto, como são justificadas, o empregador deve abonar as faltas quando o empregado apresentar o atestado médico comprovando o acompanhamento em consulta ou exames.



Além de conhecer as regras sobre o atestado médico para empregada doméstica, é fundamental estabelecer sempre o diálogo para encontrar as melhores soluções. O trabalho doméstico traz uma relação mais próxima entre as partes, portanto, é importante ter flexibilidade e empatia com o trabalhador, principalmente nos assuntos que envolvem a saúde e o bem-estar.



Fonte: Blog Lalabee


 
 
SEDCAR - Sindicato dos Empregadores Domésticos de Campinas e Região
 
Sindicato dos Empregadores Domésticos de Campinas e Região
 
 
Atendimento
(19) 3235.3007 ou (19) 99914.2300
 
 
INSTITUCIONAL   DÚVIDAS PLANOS
ENDEREÇO:
Palavra do Presidente   Perguntas Frequentes Porque se Associar?
Rua Conceição, 233 - Sala 2709
Empresarial Conceição
(Shopping Jaraguá)
Centro - Campinas - São Paulo

Histórico

 

Downloads

Planos

Certidão Sindical

     

Categorias

  JURÍDICO NOTÍCIAS

Missão

  Serviços

Notícias e Novidades

Base Territorial

 

Atendimento

Editais

Data Base

 

Convenções e Acordos

Informativos