SEDCAR - Sindicato dos Empregadores Domésticos de Campinas e Região
           
 
 
 
 
HOME
 
SEDCAR
 
NOTÍCIAS
 
DÚVIDAS
 
JURÍDICO
 
e-SOCIAL DOMÉSTICO
 
PLANOS
 
CONTATO
             
 
 
     
NOTÍCIAS
     
 
SEDCAR - Sindicato dos Empregadores Domésticos de Campinas e Região
 

  Notícias

  Editais

  Informativos

  Perguntas Frequentes

  Downloads
 
 
Notícia - Rescisão de empregada doméstica por acordo – saiba tudo! 09 de Dezembro de 2019
Rescisão de empregada doméstica por acordo – saiba tudo!

Com a reforma trabalhista, surgiu a possibilidade de fazer a rescisão de empregada doméstica de forma que ambas as partes tenham benefícios, por meio de um acordo.



Na verdade, a reforma veio para regulamentar uma atividade que já acontecia com muita frequência na informalidade.



Então, antes de pensar em rescindir o contrato de trabalho, é preciso ter certeza de que a empregada doméstica está regularizada, para não correr o risco de responder uma reclamação trabalhista.



A rescisão por acordo é a modalidade perfeita para que a empregada doméstica consiga sacar o FGTS e receba o seguro-desemprego; e para que o empregador não precise pagar as verbas rescisórias por inteiro.



Como era antes da Reforma Trabalhista?

Antes da reforma, havia apenas três formas de desligamento:



Empregada doméstica pedia demissão – nesse caso não tinha direito ao aviso prévio indenizado, nem ao saque do FGTS, nem ao seguro-desemprego;

Demissão da empregada doméstica sem justa causa: nesse caso o empregador doméstico arcava com todos os custos da dispensa imotivada: aviso prévio, seguro desemprego, etc.

Demissão da empregada doméstica por justa causa: que acontece quando a empregada doméstica comete uma infração grave e perde o direito à maioria dos benefícios rescisórios.

E se empregador e empregada doméstica optassem por uma forma de desligamento diferente dessas mencionadas, agiriam sem proteção legal.



E por não haver proteção legal, muito provavelmente o empregador doméstico sofreria as consequências.



Se as partes fizessem uma rescisão por acordo, por exemplo, e a doméstica fosse até a justiça, a rescisão seria convertida em demissão sem justa causa, trazendo consigo todos os encargos ao empregador.



Quando optar pela rescisão por acordo?

O ideal é que ambas as partes tenham a intenção de rescindir o contrato de trabalho.



Podem haver diversos motivos, mas se as partes não estão satisfeitas uma com a outra, é natural que tenham vontade de rescindir por acordo o contrato de trabalho.



Quando não havia a rescisão por acordo, era comum que empregador e empregada estivessem insatisfeitos com o contrato de trabalho, mas o mantinham mesmo assim.



Isso porque um esperava que o outro tomasse a iniciativa e rescindisse o contrato por vontade unilateral



Agora, se a empregada doméstica não cometeu nenhuma falta grave, se não quer pedir demissão e se o empregador não quer demitir sem justa causa, a rescisão por acordo é a solução perfeita.



Rescisão de Doméstica por acordo

Antigamente, a empregada doméstica pedia ao empregador para que a demitisse sem justa causa para que ela conseguisse sacar o FGTS e para que tivesse direito ao seguro-desemprego.



Agora, é possível que ambas as partes saiam beneficiadas com a rescisão do contrato de trabalho da empregada doméstica.



Mas, nessa modalidade, há um meio termo em que nem a empregada nem o empregador doméstico saem “ganhando 100%”: ambos cedem alguma coisa.



Para fins de comparação, a demissão sem justa causa da empregada doméstica tem como consequências:



O pagamento do saldo de salário;

Saque do FGTS e do FGTS Compensatório;

O pagamento do 13º salário proporcional;

A entrega das guias de seguro-desemprego;

O pagamento das férias vencidas e proporcionais;

O pagamento do aviso prévio proporcional.

Se a rescisão for feita na nova modalidade, por acordo, temos as seguintes consequências:



O aviso prévio, se indenizado, é pago pela metade pela metade;

O aviso prévio, se trabalhado, deve ser de 30 dias, sem a opção de reduzir duas horas diárias da jornada ou de faltar 7 dias corridos;

A empregada doméstica pode movimentar até 80% do seu saldo de FGTS;

Cada parte poderá sacar 50% do FGTS Compensatório;

Não há direito ao seguro-desemprego.

Mas vale lembrar: nenhuma das partes é obrigada a fazer o acordo de rescisão. Essa é apenas mais uma das formas de rescindir o contrato de trabalho.



Como fazer esse tipo de rescisão de doméstica

É importante que o empregador doméstico siga os trâmites legais para que não tenha problemas futuros com multas e indenizações.



E, para isso, basta se atentar no que segue.



A doméstica está em período de estabilidade?

Há apenas dois tipos de estabilidade previstas na lei para o emprego doméstico:



licença-maternidade;

auxílio-doença acidentário.

Além disso, em locais onde foram elaboradas convenções coletivas para a classe, podem haver mais causas de estabilidade da empregada doméstica.



O empregador não deve realizar o acordo nesses casos, pois pode ser condenado a indenizar o período de estabilidade no futuro.



Elaborar a carta de rescisão

Após as partes decidirem que a rescisão por acordo será realizada, é preciso elaborar uma carta de rescisão, que deverá conter informações sobre a modalidade de rescisão e a ciência da doméstica a respeito das verbas que receberá.



Lançar a rescisão da doméstica no eSocial

Para imprimir o termo de rescisão no eSocial, é necessário lançar todas as informações no sistema.



Deve o empregador informar a modalidade de demissão, a data de desligamento e o tipo de aviso prévio – se trabalhado ou indenizado.



Depois de conferir as informações, basta emitir as guias.



Fazer o pagamento no prazo

Independentemente do pagamento do aviso prévio, o pagamento dos valores deve ser feito em até 10 dias a contar da data de término do contrato.



É bom ficar atento a esse prazo, pois, se não cumprido, gera uma multa no valor do salário da empregada doméstica.



Fazer a baixa na CTPS da empregada doméstica

Por fim, o empregador deve anotar na carteira de trabalho da doméstica a data de encerramento do contrato, com a inclusão do período de aviso prévio – ou sua projeção, quando indenizado.



Conclusão

Abordamos todos os pontos mais importantes sobre a demissão de empregada doméstica por acordo



 



Fonte: IDoméstica 


 
 
SEDCAR - Sindicato dos Empregadores Domésticos de Campinas e Região
 
Sindicato dos Empregadores Domésticos de Campinas e Região
 
 
Atendimento
(19) 3235.3007 ou (19) 99914.2300
 
 
INSTITUCIONAL   DÚVIDAS PLANOS
ENDEREÇO:
Palavra do Presidente   Perguntas Frequentes Porque se Associar?
Rua Conceição, 233 - Sala 2709
Empresarial Conceição
(Shopping Jaraguá)
Centro - Campinas - São Paulo

Histórico

 

Downloads

Planos

Certidão Sindical

     

Categorias

  JURÍDICO NOTÍCIAS

Missão

  Serviços

Notícias e Novidades

Base Territorial

 

Atendimento

Editais

Data Base

 

Convenções e Acordos

Informativos